A Verdadeira Receita da Margherita Napolitana

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. TADEU FIGUEIREDO disse:

    PARA A RECEITA FICAR MAIS AUTENTICA E CHEGADA ÀS ORIGENS, PODE SER ELIMINADO O AÇUCAR. NAO ERA “FORÇANDO A FERMENTAÇÃO COM AÇUCAR” (ISTO É UM TRUQUE CONTEMPORANEO) QUE SE PODE PRESSUPOR O TRATAMENTO DA MASSA, NA EPOCA. ASSIM, AINDA HOJE, NOS ARREBALDES DE TODAS AS COMUNAS DA ITALIA, A FERMENTAÇÃO É FEITA ACRESCENTANDO O FERMENTO A UM POUCO DE FARINHA E UM POUCO DE ÁGUA MORNA, PARA FORMAR “O FERMENTO MADRE”, QUE POSTERIORMENTE É ACRESCENTADO AO RESTANTE DA FARINHA, ENVOLVENDO ESTA DE UMA FORMA MAIS ABRANGENTE. MAIS ANTIGA, AINDA, É A FORMA DE “PROVOCAR” O APARECIMENTO DO LEVEDO EM UM POUCO DE FARINHA COM ÁGUA. LITERALMENTE, PARA “AZEDAR” A FARINHA, NUM TEMPO MÍNIMO DE 24 HORAS. TAMBEM, A “MOZZARELLA” NAO FOI SEMPRE DE BUFALLA, MORMENTE NA SUA ORIGEM. NA VERDADE, ERA ATÉ UM “BLEND” DE VÁRIOS LEITES, NA MEDIDA EM QUE SE DISPUNHA DO MESMO, PARA COMPOR UM QUEIJO ALPINO, RESISTENTE E ATÉ FIBROSO QUE JUSTAMENTE – AO DERRETER – LIBERA GRANDE QUANTIDADE DE GORDURA, DEIXANDO A COBERTURA RICA E MACIA. PODE SER FATIAS GENEROSAS DE UMA BOA MOZZARELLA , QUE SE VISLUMBRA – ENTRE OUTROS DETALHES – PELA COR MAIS PROXIMA POSSIVEL DO BRANCO. MOZZARELLAS NAO LEVAM CÚRCUMA OU OUTRO CORANTE, NEM AMIDOS, NEM GORDURA VEGETAL (ESTA É A MAIOR FRANDE ATUAL CONTRA UM PRODUTO DE LARGO CONSUMO – 30% É AMIDO !!!). ABRAÇO AO PESSOAL DA “ROSEMARY’S STREET” !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *